PESTAL no Planejamento Estratégico

A análise PESTAL, que começou sendo aplicada como análise PEST, é uma ferramenta que faz parte do planejamento estratégico SWOT. Seu objetivo é analisar quatro ambientes (com sua atualização, hoje em dia são seis ambientes):

  • Político, compreendendo as leis e regulamentos existentes, que devem ser avaliados para sua atuação no mercado;
  • Econômico, relacionado à situação de uma determinada região, com sua média de poder aquisitivo;
  • Social, considerando-se a cultura, costumes e atitudes de uma determinada população;
  • Tecnológico, com as ferramentas e serviços que independem das condições da empresa para serem utilizados;
  • Já no PESTAL (AL) foi adicionado o Ambiental e Legal.

Esses itens são considerados ameaças e oportunidades, uma vez que independem da situação da empresa, fugindo ao controle do empresário e dos gestores.

A análise PEST demanda técnicas de brainstorming para ser feita. O gestor deve pesquisar alguns fatores para chegar à conclusão e estabelecer suas estratégias no planejamento estratégico:

Entre os fatores políticos, é necessário analisar:

  • Regulamentos e proteções ambientais;
  • Regulamentos de comércio internacional e suas limitações;
  • Legislações específicas;
  • Regulamentos entre concorrência;
  • Regulamentos de segurança;
  • Política de impostos;
  • Código de Defesa do Consumidor;
  • Leis trabalhistas;
  • Programas e atitudes governamentais;
  • Estabilidade política e
  • Órgãos fiscalizadores.

Os fatores econômicos para a análise PEST compreendem, basicamente:

  • Crescimento econômico;
  • Taxas de juros e política monetária;
  • Despesas do governo;
  • Inflação;
  • Taxa de câmbio;
  • Taxa de desemprego.

Os fatores sociais devem ser observados sob os seguintes ângulos:

  • Distribuição de renda;
  • Aspectos demográficos;
  • Taxa de crescimento da população;
  • Distribuição da idade;
  • Mudanças no estilo de vida;
  • Atitudes do trabalhador;
  • Grau de instrução;
  • Consciência de saúde e segurança.

Nos fatores tecnológicos, devemos considerar:

  • Despesas em pesquisas governamentais;
  • Novos produtos e serviços;
  • Importações;
  • Ciclo de vida da tecnologia;
  • Aspectos da energia;
  • Mudanças na Tecnologia de Informação;
  • Mudanças na internet;
  • Mudanças na tecnologia móvel.

Todos esses pontos devem fazer parte da análise SWOT, considerando-se esses fatores como fatores externos, ou seja, estão entre as Oportunidades e Ameaças.

Seu levantamento irá servir para estabelecer as estratégias empresarias, comparando-se com os pontos fortes e fracos da empresa e aproveitando qualquer oportunidade, buscando reduzir o impacto negativo provocado pelas ameaças.

Leia mais no artigo atualizado sobre Análise PESTAL

Análise PESTAL como dados para a matriz SWOT

Como sabemos, na matriz SWOT, os pontos fortes indicam que a empresa está tendo vantagem em determinados setores, enquanto que os pontos fracos mostram onde a empresa está levando desvantagem.

Todos os pontos fortes e fracos irão receber a influência dos fatores externos, considerados e levantados através da análise PEST, tornando o planejamento estratégico mais eficaz.

Ampliação da análise PESTAL

Com a utilização da análise PEST original, alguns analistas consideraram ser importante acrescentar dois fatores que também independem da empresa e que devem ser considerados externos, ainda dentro do grupo de oportunidades e ameaças:

  • O fator ambiental;
    • Aqui levantamos e verificamos tudo o que nossa empresa deve se preocupar sobre o impacto ambiental que ela pode causar.
  • O fator legal.
    • Cuidados com os fatores legais, que dizem respeito ao enquadramento legal mais diretamente ligado à atividade da empresa.

Com esses dois fatores acrescidos, a análise PESTAL torna-se uma ferramenta essencial para a análise da entrada de uma empresa no mercado ou mesmo para reanalisar seu posicionamento, comparando-a com os concorrentes.

A análise PESTAL mostra-se como uma investigação feita com alguma profundidade, dividindo-se entre as categorias referidas que não podem ser considerados como elementos estáticos, mas sim como forças dinâmicas, sempre em alteração, o que exige da empresa um acompanhamento contínuo.

Os dados obtidos com a análise PESTAL devem oferecer um relatório completo sobre os fatores macroambientais, que precisam ser considerados para que a empresa possa elaborar o seu planejamento estratégico.

É uma ferramenta estratégica de extrema utilidade para o gestor entender o crescimento ou a queda no mercado, a posição e potencial comercial da empresa junto ao mercado e a orientação para suas operações.

O modelo original, além dos novos fatores ligados ao ambiente e ao aspecto legal, vem evoluindo, com algumas considerações de analistas sobre a necessidade de ainda acrescentar os fatores éticos e demográficos.

Essa crescente importância dos fatores ambientais e ecológicos, que vêm ganhando destaque desde o início do século XXI, deram origem às práticas de negócio sustentáveis, incentivando a utilização mais generalizada de uma versão atualizada do enquadramento PESTAL.

Evidentemente, a escolha dos fatores que devem ser analisados irá depender da natureza da empresa e do ramo industrial em que ela está inserida. Assim, é de fundamental importância, antes de proceder a análise PESTAL, fazer antes uma escolha crítica dos fatores que devem ser analisados, podendo, desta maneira, usar o tempo e os recursos de uma forma mais eficiente.

Como aplicar a análise PESTAL no planejamento estratégico

Os fatores da análise PESTAL irão variar em importância dependendo da empresa, do ramo de atividade em que opera e dos bens por ela produzidos, auxiliando os gestores a observar, debater e, principalmente, verificar o que está realmente acontecendo no mercado sob perspectivas diferentes.

A análise completa, evidentemente, não é facilmente quantificável, devendo ser cuidadosamente explanada, já que os fatores externos não são estáticos. Assim, por exemplo, as empresas de produtos de consumo normalmente são mais afetadas pelos fatores sociais, da mesma forma que as empresas do sistema B2B. Enquanto isso, uma empresa que trabalha com defesa tende a ser mais afetada por fatores políticos.

Ao mesmo tempo, os fatores devem ser observados em sua tendência futura, que podem ter uma importância maior ou menor para algumas empresas. Seria o caso, por exemplo, de uma empresa que tenha contraído empréstimos em valores elevados, que deve observar os fatores econômicos, analisando a tendência de flutuação dos juros.

Nas empresas de grande porte, que produzem um variado leque de produtos, a análise PESTAL deve ser feita através de departamentos, uma vez que cada tipo de produto pode ser afetado por fatores diferenciados. Uma empresa menor, no entanto, deve ter sua análise PESTAL focada no ambiente em que está instalada, além de observar os fatores que interferem nesse ambiente.

Para conhecer melhor sobre a análise PESTAL e sobre o estabelecimento de um planejamento criterioso para sua empresa, procures profissionais que possam lhe prestar a assistência e assessorias necessárias. Um software de planejamento estratégico é a melhor ferramenta para direcionar sua empresa.

Caso queira ler mais sobre análise PESTAL veja o artigo atualizado.



Quer mais informações sobre consultoria?


Entre no grupo do WhatsApp para você aprender muito e tirar dúvidas.

WhatsApp chat Dúvidas pelo WhatsApp